Vidas negras importam

O artigo “Vidas negras importam” foi redigido pela Equipe de ATD Quarto Mundo/Estados Unidos, após o assassinato de George Floyd no dia 25 de Maio de 2020.

Traduzimos este texto em português neste momento, pois ele é como uma caixa de ressonância de muitas mortes de mulheres e homens negros no Brasil. Aqui, também, pessoas morrem pelo simples fato de serem negras: o soldador João Alberto Silveira Freitas, espancado até a morte no dia 19 novembro de 2020 por agentes de segurança, ou ainda, o artista Wellington Copido Benfat ou NegoVila como era seu apelido, assassinado no dia 30 de novembro de 2020 por um policial, e tantos outros.

Esta publicação é uma forma de homenagear estas pessoas e prestar nossa solidariedade com aqueles que sofrem cotidianamente as consequências do racismo e que lutam contra ele, como  os artistas do bairro Vila Madalena que, com a arte, expressaram sua indignação e o luto pela morte de Wellington Copido Benfat.


 Enquanto movimento que afirma a igual dignidade de todos os seres humanos, ATD Quarto Mundo luta contra todas as formas de racismo. Há muitos anos, os membros da ATD Quarto Mundo expressam sua indignação contra a violência policial, seus temores em relação aos seus familiares e próximos, suas dores e suas perdas. Partindo do que observam em suas experiências, os membros da ATD Quarto Mundo alertam novamente para a gravidade desta situação, na expectativa de que uma real mudança venha a ocorrer. Pôr um fim imediato ao racismo e à violência policial é o desejo de todos.

Juntos, enquanto movimento, estamos com as milhões de pessoas indignadas com o assassinato de George Floyd. Reafirmamos nosso compromisso de mobilizarmo-nos incansavelmente por uma mudança social e estrutural positiva.

  • Reafirmamos também o esforço incansável de assumir a responsabilidade de nosso papel pessoal e coletivo em relação à trajetória de nosso país seguindo o rumo da justiça e da igualdade.

O racismo e a pobreza têm uma origem comum: a crença de que alguns seres humanos valem menos do que outros – por causa da cor de sua pele, de sua naturalidade ou de seu status socioeconômico.
Enquanto movimento, a ATD Quarto Mundo rejeita totalmente esta forma de ver o outro, bem como qualquer forma de discriminação e de opressão perniciosa. Assim, a ATD Quarto Mundo se compromete ativa e concretamente em desconstruí-las por meio da invenção de novas formas, justas e igualitárias, de viver juntos.

É com grande humildade, inspiração e emoção que recebemos a força das muitas vozes que se elevaram e exigiram que a morte de George Floyd transforme nossa sociedade. Um número cada vez maior de pessoas escutaram, finalmente, as vozes daqueles que nos alertam há tanto tempo e há  tantas gerações.

  • Somos cada vez mais pessoas percebendo, finalmente, que, quando nos opomos à vida e à liberdade de uns, estamos, na verdade, nos opondo a vida e a liberdade de todos. 

Um número cada vez maior de pessoas está, finalmente, prestes a se colocar e se posicionar. Talvez pela primeira vez, a paz e a justiça poderiam estar ao nosso alcance.
A ATD Quarto Mundo está empenhada, mais do que nunca, em ajudar a construir estas mudanças extremamente urgentes e fazê-lo a partir de e com as pessoas mais afetadas.

O racismo e a pobreza foram criados por seres humanos. Cabe a todos nós erradicá-los, unindo-nos.

 

One comment Leave a comment
  1. Concordo plenamente!!
    É importante lutar juntos, começando pela igualdade e justiça, para conseguir então a paz tão sonhada.
    Mudanças de mentalidade e comportamento precisam acontecer!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.